Le site Tlaxcala est de nouveau en ligne !
The Tlaxcala site is online once again!
La página web de Tlaxcala está de nuevo en línea!
Die Website von Tlaxcala ist wieder online!
http://www.tlaxcala-int.org

Sunday, 11 January 2015

O retorno do blasfemo

por Jacques-Alain Miller, Lacan quotidien n° 452 e Le Point, 10/1/2015 
Traduzido pelo Coletivo de tradutores Vila Vudu 

Jacques-Alain Miller (1944) é um psicanalista e escritor francês . É um dos fundadores da École de la Cause Freudienne ("Escola da Causa Freudiana") e da Associação Mundial de Psicanálise (AMP), que presidiu de 1992 a 2002.



Diz-se: “São bárbaros.” Sem dúvida. Mas esse terrorismo não é cego: tem os olhos abertos, é focado no alvo. E já nem mudo é! Ele grita: “Vingamos o Profeta Maomé!”

No final do século 20, imaginávamos que nossos conceitos como blasfêmia, sacrilégio, profanação já não passassem de vestígios de tempos passados. Não, nada disso. Temos de constatar que a era da ciência não apagou o senso do sagrado, que o sagrado não é um arcaísmo. Claro que tampouco o sagrado é real.

[O sagrado] É, isso sim, um fato de discurso, uma ficção, mas fato de discurso e ficção que mantêm coesos os signos de uma comunidade, a chave-mestra de sua ordem simbólica.

O sagrado exige reverência e respeito. Se faltam, é o caos. Se faltam, Sócrates é convidado a beber cicuta. Nunca, jamais, em lugar algum, desde que há homens e mulheres e todos falam, foi lícito dizer tudo.

A não ser na psicanálise, experiência muito especial, explosiva, e que apenas engatinha. A não ser nos EUA, mas a liberdade de manifestação garantida pela Constituição é, lá, limitada por um sentimento bem particular da decência.

Por isso a grande maioria da imprensa-empresa absteve-se de reproduzir as caricaturas de Maomé, por sentimento profundo de respeito ao “grande sofrimento dos muçulmanos”. Vale o mesmo princípio para o que se chama “politicamente correto”.

O afeto doloroso assinala que a libido está mobilizada, em jogo. Se o sagrado não é real, o gozo que se condensa no sagrado, ele, é real.

O sagrado mobiliza êxtases e furores. Morre-se e mata-se por ele. Psicanalistas sabemos ao que nos expomos quando tocamos, no outro, no “impossível-de-suportar” [Lacan: “l’impossible-à-supporter”].

Por isso Baudelaire cita Bossuet, “O Sábio sempre que ri, treme”, e atribui ao cômico uma origem diabólica.

Ora, quem foi o principal operador das Luzes, se não o riso? Maistre fala do “rictus” de Voltaire; Musset, de seu “sorriso atroz”. As doutrinas da tradição não foram refutadas, observa Leo Strauss, foram expulsas pelo riso.

Charlie Hebdo existia entre nós como a rocha-testemunha desse riso fundante. Ninguém jamais prometeu a Cabu, Charb, Tignoux, Wolinski que seriam autorizados a posar ao lado do
Cavaleiro de la Barre. Desde 1825, ninguém nunca mais tentou, entre nós, franceses, restaurar qualquer lei sobre a blasfêmia.

Como é possível pois que tenham morrido como mártires da liberdade de manifestação?

Aconteceu, porque os universos de discurso que antes eram separados e estanques, agora se comunicam. São mesmo imbricados: agora, o sagrado de uns e o “nada-sagrado” de outros estão conectados, são antípodas.

A menos que se rebobine o filme dos tempos modernos, deportando para longe os alógenos, a questão – questão de vida ou morte – será descobrir se o gosto do riso, o direito de ridicularizar, o nenhum-respeito iconoclasta são assim tão essenciais ao nosso gozo, quanto é essencial ao gozo na tradição islâmica a submissão ao Um.

Quanto ao debate jurídico, é complexo, todo o conjunto das democracias ocidentais trabalham sobre isso (ver, sobre isso, o sumário, publicado há três meses pela Universidade da Califórnia:
Profane : Sacrilegious Expression in a Multicultural World).

Todos os anos, desde 1999, negocia-se na ONU essa questão, por iniciativa da Organização da Cooperação Islâmica, na Alemanha, Áustria, na Irlanda, procurando leis que tornem proscritos os atentados ao sagrado.

O Reino Unido esperou até 2008 para suspender a proteção que dava à Igreja Anglicana contra a blasfêmia. A França distingue-se pelo rigor de sua doutrina laica. Por quanto tempo ainda? Não se sabe. Hé, la France ! Teu café desertou, fugiu da luta. O que mais queres, mesmo, mais verdadeiramente, França?
Conflito ou concessão?
 

No comments: