Le site Tlaxcala est de nouveau en ligne !
The Tlaxcala site is online once again!
La página web de Tlaxcala está de nuevo en línea!
Die Website von Tlaxcala ist wieder online!
http://www.tlaxcala-int.org

Wednesday, 14 January 2015

Sou o Charlie

por Ângelo Alves, 9 de Janeiro de 2015 

Sou o Charlie, sou português. No meu País existem 3 milhões de pessoas pobres, o desemprego real deve estar a rondar os 23%. Os jovens do meu País estão sem perspectivas. Não admira, 38 anos de políticas sempre iguais destruíram aquilo que devia fazer funcionar este pais, o seu sistema produtivo. Vejo cada vez mais pessoas na rua, sem casa. A fome já chegou a muitas zonas deste País. Os mais idosos vivem mal, e são-lhes cortadas as pensões. Nestas férias de natal muitas escolas ficaram abertas para poder dar refeições em condições a crianças que estão a viver grandes dificuldades. Entretanto já começou a morrer gente à porta das urgências dos Hospitais... não porque os médicos não sejam bons, mas porque os cortes e mais cortes, fizeram com que os hospitais não dêem resposta às necessidades.
Sou o Charlie, sou jornalista francês, sinto-me um dos jornalistas assassinados a sangue frio anteontem em Paris, mas sou também aquele que é explorado e colocado perante a chantagem de obedecer cegamente aos interesses dos donos dos jornais onde trabalho ou ir para o desemprego. Sou um jornalista que por dizer a verdade sou afastado da ribalta das televisões e dos jornais, sou um jornalista igual a outros que em variados países são assassinados por exercer a minha profissão com dignidade e ética ou que morre a cobrir guerras desencadeadas para dominar povos e países inteiros e lhes sugar as suas riquezas.


 O meu nome é Charlie, sou palestiniano... milhares e milhares de compatriotas meus já morreram ao longo destes mais de 50 anos, milhões não os consigo ver porque são refugiados em campos onde vivem há décadas sem poderem visitar a Palestina. Sou uma das 600 crianças que morreu sob as bombas de Israel há poucos meses, sou a criança que brincava na praia e fui atingido por fogo disparado a partir de um barco israelita que nunca compreendi porque ali estava.
O meu nome é Charlie, sou Sírio, vivia num país que não era o paraíso mas onde vivíamos em paz e em convivência de várias confissões religiosas e etnias. Hoje o meu País está destruído por uma guerra sem sentido, desencadeada por gente que não é do meu País e que, pelo que percebo, são pagos e treinados por países e forças que nada têm que ver com o meu país. São esses, que até andaram a reunir com uns figurões dos EUA, como um tal de Mc Cain, que agora querem retalhar o meu País, atacar os nossos irmãos libaneses, e construir um Estado que dizem que é Islâmico mas que os meus amigos muçulmanos dizem que não tem nada que ver com a religião deles.
O meu nome é Charlie, sou Espanhol, sou um jovem e metade de todos os meus amigos estão desempregados há vários anos, muitos vivem hoje na rua. O Desemprego é uma coisa tramada, não consigo pensar no futuro, porque todos os dias penso como vou aguentar mais tempo sem meios para sobreviver. Os discursos dos meus governantes parece que nada têm que ver com a vida que eu vivo.
O meu nome é Charlie, sou francês, vivo nos subúrbios de Paris, os meus avós vieram das ex-colónias francesas em África, ajudaram a construir este País. Sou pobre, e cada vez mais sinto que por ser descendente de africanos ou muçulmanos sou empurrado para guetos e não tenho acesso a certas profissões. Muita da malta que mora no meu bairro está desempregada há muito, a pobreza é muita.
O meu nome é Charlie, sou afro norte-americano. Dizem que vivo na terra da liberdade e das oportunidades, mas eu cada vez mais me interrogo se isso é mesmo assim. Eu e o pessoal do meu bairro somos cada vez mais afectados pela crise económica, e agora vieram os bancos tirar-nos as casas, muita malta mora em tendas nos parques, andamos revoltados e até fizemos manifestações, a resposta da polícia e mesmo dos militares foi brutal, e morreram alguns amigos meus.

O meu nome é Charlie, sou líbio. A minha família foi toda morta, assim como parte da comunidade onde pertencia, onde hoje existem vários grupos terroristas que se ocupam do tráfico de armas, de pessoas, do contrabando do petróleo e de outras actividades que nada têm que ver com aquilo que já vivi. A guerra invadiu o meu País, dividiu o meu povo e sinceramente não consigo ver como poderemos vir a ser outra vez um País digno desse nome.

O meu nome é Charlie, sou oriundo do norte de África e da África Sub-sahariana. Tenho dezenas de amigos que morreram a trabalhar, outros vão morrer dentro em pouco porque sofrem de doenças que se diz que fazem parte do passado. Muitos dos meus conterrâneos passam fome, nâo têm casa, outros acho que nunca mais os irei ver, foram contactados por gente de fora que lhes disse que iam viver e trabalhar para a Europa. Ouço dizer que uns estão presos, outros estão fechados nuns campos de detenção na Europa e outros, diz-se, morreram no mar.

O meu nome é Charlie, sou muçulmano, fui torturado violentamente por militares norte-americanos que nunca me explicaram porque estava preso. Não tive direito a julgamento. Chamam-me terrorista, mas eu penso que os terroristas são eles quando me deixam semanas sem dormir e me fazem coisas que tenho vergonha de contar. Acho que quero morrer, não aguento mais ser tratado como um animal.

O meu nome é Charlie, sou Iraquiano, o meu País vive desde a década de 90 do século passado em estado de guerra. Tenho pena de não vos poder mostrar o meu País como ele era há algumas décadas. Dizem que somos um dos berços da civilização moderna. Não sei se somos, mas que tínhamos muitas riquezas culturais lá isso tínhamos. Não vivíamos bem, e eu até nem gostava do governo do meu País, mas caramba!, nós podíamos ter tratado do assunto pelas nossas mãos e consciências. Nunca quisemos a guerra, a morte e a destruição do nosso País, apenas queríamos viver um pouco melhor. Centenas e centenas de milhares de patriotas meus morreram nestes anos numa guerra que foi justificada com mentiras sobre o meu País como a das armas químicas. Para quê? Não sei... só sei que hoje anda por cá muita gente de fora a guardar-nos como se fossemos estranhos na nossa própria terra e a guardarem – dizem eles – os nossos campos de petróleo.

O meu nome é Charlie, sou Ucraniano. O meu País está dividido por uma guerra civil. Tudo começou quando uns senhores vindos da Europa (coisa estranha... e eu que pensava que o meu País fazia parte da Europa) vieram falar com o nosso governo, que não era grande coisa diga-se em abono da verdade, para ele fazer uns acordos esquisitos que nos amarravam a umas politicas que pelo que vejo lá na Europa deles não estão a dar muito bom resultado. O nosso governo não quis esses acordos, mas também não nos perguntou nada. Depois não percebo bem o que se passou, só sei é que hoje andam por aí, quer no governo quer nas ruas, aqueles que – aprendi na escola – nós combatemos no passado - os nazi-fascistas. Esses, mais uns criminosos que acho que pertenciam a umas forças ditas de segurança, foram responsáveis por um terrível massacre em Odessa, onde morreram queimadas ou baleadas dezenas de pessoas que se refugiavam na casa dos sindicatos. Na altura não se falou muito disso no Mundo, e eu nao percebo porquê! Entretanto já morreu muita gente nesta guerra, já foi destruída muita coisa e o meu povo vive pior que nunca. Apetece-me chorar quando vejo o exército do meu próprio país a atacar o povo a que pertenço.

Eu sou o Charlie, um Afegão. Em 2001 houve um ataque a umas torres enormes nos EUA, chamavam-lhe as torres gémeas. O mundo culpou gente por esse ataque que segundo eles estava instalada no meu país. O meu país tem uma história triste de guerras. Esses mesmos que falam inglês andaram a criar os Taliban para combater o que diziam ser a invasão da URSS. Depois passados vários anos cá voltaram para combater esses Talibans. Hoje negoceiam com eles e eu já não percebo nada disto. A única coisa que sei é que já se perdeu a conta aos mortos do meu país em virtude destas guerras e agressões. As coisas pioram de dia para dia no nosso povo, e até a produção de droga aumentou exponencialmente. Diziam então que os direitos das mulheres não eram respeitados, e eu até acho que não eram, mas caramba, cabia-nos a nós resolver esse problema. É que agora elas continuam a andar de Burka, correcção: aquelas que estão vivas continuam a andar de Burka. Cada vez mais acho que esses senhores se estavam era a borrifar para os direitos do meu povo e das mulheres do meu povo.

Poderia continuar a dizer-vos quem sou, mas tenho de ir encontrar refugio porque a noite está fria e aqui no leste europeu e na russia faz um frio de rachar, pior que aquele que está em Lisboa, e portanto quem não tem casa tem de cedo encontrar um lugar minimamente coberto para instalar os papeloes e os cobertores que nos restam. Basicamente o Charlie sou eu, um homem comum, que vive em qualquer parte do mundo e que é vítima de uma política insana que cada vez traz mais guerra, mais morte, mais fome, mais desemprego, mais pobreza, mais doenças, mais problemas ambientais, menos cultura, mais discriminação, mais ódio racial, menos democracia, mais intolerância, menos humanidade, mais desrespeito por vários direitos humanos. Sou aquele que verdadeiramente sofre com os ataques e crimes como o de Paris, porque há sempre aqueles que lucram com eles. Cada vez mais acho que enquanto não se inverter a essência das políticas que ditam o sentido dominante do mundo não terminarão os dias tristes como o de ontem em Paris.

Sou o Charlie, sou Comunista, sou amante da Paz, da amizade entre os povos. Luto pela justiça social, pelo desenvolvimento económico e social de todos os países, pelo respeito pelos direitos económicos, sociais, culturais, democráticos e de soberania dos povos. Luto para que o Mundo não seja um jogo de xadrez onde as pessoas são meras peças, e a sua vida tem um valor relativo consoante os interesses que estão em jogo. Sou o Charlie, indigno-me tanto com a morte dos meus “colegas” jornalistas em Paris como com a morte de um trabalhador da construção civil que caiu numa obra por falta de medidas de segurança.

Sou o Charlie, comunista, amante da Paz, da tolerância, da cooperação entre povos e Estados soberanos. Acredito que um mundo mais justo é possível. Acredito que é possível fazer da política aquilo que ela deve ser, uma festa de ideias e princípios usados no interesse de todos.

Sou o Charlie, sou comunista... mas podia não ser, e da mesma forma nunca iria permitir que a minha indignação pelo que se passou em Paris fosse utilizada para cortar ainda mais direitos democráticos aos povos, para imprimir medo a todos, para que poucos dominem, para eleger os muçulmanos, ou outros, como inimigos da civilização, ou para desencadear novas guerras num mundo que está já tão perigoso.

Sou o Charlie, tomo partido.... do lado da verdade, contra a manipulação. Do lado da paz, contra as guerras, as ingerências e as manobras de desestabilização. Do lado da verdadeira luta contra o terrorismo, contra a hipocrisia e a mentira. Do lado da justiça e da igualdade, contra a exploração. Do lado da democracia verdadeira, contra a ilusão de uma democracia formal. Do lado dos povos, dos trabalhadores, contra “os donos disto tudo”.

Sou o Charlie, e não quero ser usado para instigar o racismo, a xenofobia e a islamofobia. Sou o Charlie e não quero que os meus sentimentos de solidariedade para com as vitimas de Paris sejam usadas para abrir campo à extrema-direita ou para desencadear paranóias que abram campo a ainda mais mortes, guerras e destruição.

Sou o Charlie, um homem comum que quer viver em Paz e com dignidade....

No comments: